Início do SnG.

 

 

 

REGRA ESSENCIAL: SE FOR JOGAR A MÃO ENTRE DE RAISE/RERAISE, NUNCA LIMP.

 

Nas fases inicias as mesas estão repletas de jogadores recreativos, os quais adoram ver todos os flops. Eles entram de limp em todas as mãos e pagam até o fim até mesmo com o segundo ou terceiro par da mesa, portanto, a primeira regra é não blefar contra esses caras. Blefe apenas contra jogadores que você já tenha percebido que largam sem problemas no flop quando não acertam nada, para isso devemos analisar com calma o flop e tentar constatar se é um board bom ou não para dar a Cbet para que o oponente corra. Com mãos de valor, ou seja, o topo do range, não há mistério em jogar, sempre entre de raise e se for o caso reraise. O recomendado nesta fase inicial é abrir apenas as mãos de valor, evitar blefar como já foi dito. Caso você esteja nos blinds, e houve um raise e muitos calls, não há problema em completar com mãos especulativas para tentar acertar um bom flop (mãos como 67s, 89s, TJs). O essencial aqui é esperar os donkeys caírem.

 

Fase intermediária do SnG.

 

Neste momento estaremos com um stack de 13 a 16 blinds caso não tenhamos jogado alguma mão. Aqui devemos observar muito os stacks dos oponentes e seus estilos de jogo. Devemos estar prontos para quando estivermos em posição e com uma mão não tão boa para jogar o pré flop praticar o roubo de blinds com o intuito de fazer a manutenção de nosso stack. A manutenção de stack pode ser feita com um simples raise ou com o shove direto. O recomendado e correto é abrir de posições finais, como o HJ, CO, BTN e SB, pois por uma questão obvia, não haverá muitos players para falar depois de nossa ação. Certamente nesta etapa deveremos abrir um pouco nosso range, caso contrário seremos engolidos pelos blinds. O range de shove das posições finais para manutenção de stack varia muito, tendo como exemplo qualquer Ax, K9s+, Q9s+, entre outros. Para termos uma noção, podemos analisar a equidade de nossa mão através dos softwares de cálculo, assim teremos certeza se nossa ação é boa ou não. A intenção desta ação é roubar os blinds, por isso nossa mão deve ter alguma equidade diante do range de call do oponente, pois imagine se ele invente de pagar, o que ocorre em diversas vezes, assim temos que estar protegidos de alguma forma. Temos que estar atentos para os estilos dos jogadores, contra jogadores muito tight nossas manutenções de stack tendem a passar mais vezes, por isso a importância de fazer a análise da mesa e se possível fazer uma anotação ou marcar com alguma cor os oponentes e seus respectivos estilos.

 

Fase final do SnG.

 

Na fase final, em regra, estão os melhores jogadores, portanto devemos ter muito cuidado. Caso estivermos com mais fichas na mesa, devemos ser os mais ativos e pressionar todos os oponentes, principalmente o segundo e terceiro em fichas, pois eles não irão querer se envolver com o chip leader, sendo que podem ser eliminados. Eles tendem a esperar os jogadores com menos fichas caírem. Quando eles são os agressores, tendem a ter um range restrito, ou seja, mão muito fortes, assim temos que também estar com um range fechado para dar combate. Quando estivermos em segundou ou terceiro em fichas, devemos seguir o mesmo padrão do que foi dito acima. Quando estivermos curtos devemos abrir um pouco o range e praticar a manutenção de stack com frequência, entrando de shove sempre que tivermos com 10 blinds ou menos.

 

A grande diferença entre a fase inicial e as duas seguintes (intermediária e final) é a alteração de nosso range de jogo, na primeira jogaremos de forma conservadora e nas duas últimas nosso range será maior. A análise das oportunidades é essencial para nos mantermos vivos no SnG.