No artigo passado foi comentado sobre as mãos iniciais em PLO. Afinal, muitos ao jogar PLO acham que duas mãos de Texas formam, necessariamente, uma boa mão de Omaha, o que na maioria dos casos não é verdade. Mantendo a sequência, agora o assunto será sobre o pré-flop.
Primeiramente, é necessário frisar que no Omaha as equidades das mãos são mais próximas do que em Hold’em. Um dado que prova isso é o AA (texas) vs. AA** (Omaha). Enquanto o primeiro possui uma equidade de 85% vs. um leque aleatório de mãos, o segundo possui apenas 65% de equidade.


Com base nesses dados se pode concluir que Omaha é um jogo pós-flop, no qual um número maior de mãos serão jogadas. Sendo assim, é necessário se preparar pré-flop em prol de uma situação favorável pós-flop. 


Aqui vão alguns conceitos importantes para se jogar o pré-flop:
1. Mãos double suited aumentam sua equidade;
2. Questione-se: “Onde eu posso chegar com essa mão?”;
3. Ganhar poucos stacks é mais lucrativo do que ganhar bastantes potes pequenos;
4. Rundowns possuem excelente jogabilidade em situações tanto multiway quanto heads-up;
5. Busque o NUTS!
6. Posição é extremamente importante;
7. Evite inflar pote com mãos marginais (até mesmo pares de Áses fracos);
8. Limp behind pode ser – muitas vezes – a melhor opção.


O segundo conceito é de grande valia, pois é através dele que iremos selecionar boas mãos e com propósitos, planos. Muitos jogam mãos aleatórias como K965 fora de posição sem sequer pensar em que tipos de situação podem entrar. Imagine essa mão num flop 783. O que pode acontecer nesse caso é acertar um T no turn e entrarmos numa situação de Reverse Implied Odds, onde o vilão teria AJT9, ou seja, outs para o nuts. Portanto questione-se, poker é um jogo de raciocínio, domine situações, saiba onde está pisando.


Baseado nisso que foi comentado acima, tome cuidado com rundowns baixos, exemplo: 4567 flop 89x. Temos 4 pontas, beleza, porém, quais desses outs tornam a nossa mão nuts? Apenas o 5. Sendo assim, atenham-se aos rundowns maiores, afinal, quando acertarmos dois pares geralmente serão top two... Quando acertarmos 4 pontas serão todos os outs para o nuts, exemplo: QJT9 board 98x, todos os outs que acertarmos para a sequência tornam nossa mão nuts.


Outro ponto importante envolve posição e a questão do limp behind. Diferente do Texas, onde há bastante receio perante o limp, o Omaha, por ser um jogo de draws, tem o limp como uma jogada bem ok, principalmente fora de posição, para evitar inflar o pote. Outro fato é que, como citado antes, as equidades das mãos são mais próximas. Isso faz com que não tenhamos a mesma fold equity que há no Hold’em. Ou seja, não há essa de “punir os limpers”.
Jogando AA** pré-flop:


No artigo anterior foi comentado sobre os pares de A no PLO. Entretanto, muitos possuem dúvidas de como jogar tal mão pré-flop.


Vale lembrar que há alguns pares de A que jogaremos de maneira bem passiva, afinal, não possuem jogabilidade. Exemplo: AA38r(rainbow). Por outro lado, na maioria das vezes jogaremos de maneira agressiva pré-flop, principalmente os double suited. Afinal, é uma mão que tende ao nuts, seja no flush, no fullhouse e até mesmo nos straights...


No geral, quando tivermos a oportunidade de colocar 1/3 do nosso stack ou mais pré-flop com AA** (mesmo sendo AA** seco), iremos fazer isso. A ideia é criar uma situação com poucos players envolvidos – de preferência HU – onde daremos all-in em 90% dos casos, exceto em flops muito drawy e que não possuamos nenhuma defesa, exemplo: AsAd3h6d flop 9hThJd.
É importante tomar muito cuidado para não atolar de maneira marginal AA quando se investe torno de 15% do stack pré-flop e a mão é multiway.

 

3BET


Diferente do Texas Hold’em, no Omaha o range de 3bet sempre terá valor. Afinal, não há muita lógica uma 3bet light já que a fold equity é baixa devido à equidade das mãos serem mais próximas. Todavia, não é legal apenas 3bet com AA, afinal, o jogo dessa maneira fica muito faced up. Portanto, deve-se colocar no arsenal de 3bet mãos como: AT98ds; KKJTss+; rundows premium... Dessa maneira a mão ficará escondida em boards 678 e até mesmo quando bater um A no flop a c-bet passará bastante em boards como A74, por exemplo.


Quanto ao call em 3bets será bem maior do que no Texas, devido à equidade das mãos. As estatísticas de % fold para 3bet, se comparada com Hold’em, são praticamente inversas. Sendo assim, daremos call em torno de 60–85% das 3bets, principalmente em posição! Portanto, em posição o range de call será mais amplo, o que já não é o caso do range fora de posição. Para isso, é necessário que o open raise em posições iniciais já seja mais restrito.
E a verdade é que quanto mais adaptado ao PLO, tendemos a dar menos fold para 3bet.


4BET


O 4bet, em PLO, sempre terá um grande valor e não é uma jogada tão comum. A tendência é que quase sempre seja AA. Iremos aplicar 4BET com KKJTds+ somente contra vilões que são muito agressivos e que possuímos informações que tornem a nossa mão bem a frente do range de 3bet dele.


O call em 4bet será somente com mãos que possuam boa equidade, como: rundowns; mãos que não possuam A no range, afinal, A tendem a estar bem dominadas; e raramente mãos com pares, pois não hit bem o flop (cuidado para não supervalorizar o KK** em situações como essa, fold acaba sendo a melhor opção na maioria das vezes).
É muito importante também em uma situação de 4bet analisar o stack do vilão, afinal, na maioria dos casos o size no flop será o all-in dele – ou quase isso.